NEWSLETTER

Email:
Telefone:
 

ENQUETE

(Abril/2017) Qual o seu interesse neste site?

Sou hidroponista, busco mais conhecimento na área

Sou produtor convencional, quero migrar para a Hidroponia

Sou empresário/fornecedor, quero investir no setor

Sou consumidor, quero informações

Outro objetivo? Comente pelo e-mail redacao@revistahidroponia.com.br
















































































POR DENTRO DA ESTUFA


Rúcula e coentro com podridão no caule, o que pode ser?

Produtor busca ajuda dos Consultores Hidropônicos Avançados para enfrentar problemas nos cultivares

15/08/2017


O leitor Eduardo Zaruvny, de Curitiba (PR), busca ajuda para enfrentar problemas na produção de rúcula e coentro. Os Consultores Hidropônicos Avançados Fernando César Sala, Luís Cláudio Paterno Silveira e Roberta Peil respondem. Confira logo abaixo.

 

Eduardo Zaruvny – produtor de Curitiba (PR):

“Olá, sou produtor de Hidroponia na região de Curitiba (PR). No último verão, enfrentei dificuldades na produção de coentro e rúcula. Na rúcula, duas das seis estufas vêm apresentando plantas com problemas no caule. As raízes começam a se desenvolver brancas e saudáveis, porém, os caules apresentam uma coloração escura e apodrecem causando o murchamento das folhas.

Inicialmente achei que fosse fungus gnats. Fiz o tratamento com Bacillus thuringiensis israelenses, com armadilhas amarelas e trato as mudas com evidence. Ao que me parece, o fungus gnats foi resolvido, mas o problema no caule persiste. O mais estranho é que isso ocorre somente em duas estufas, nas outras quatro, os cultivos se desenvolvem normalmen­te (cada estufa tem a sua caixa d’água individual).

Já no coentro, as raízes ficam escuras na primeira semana após o transplante. As folhas amarelam, o caule também fica escuro e com aparência de podridão. Agradeço pela atenção.”

 

Prof. Dr. Fernando Cesar Sala / Universidade Federal de São Carlos (UFSCar):

“Prezado, abaixo estão minhas considerações:

1. É sempre difícil e não preciso um diagnóstico do que realmente houve na estufa por não estar no local;

2. Na questão da rúcula, o “caule estranho” pode ser resultado de alguns fatores como ata­ques de alternária (isso pode vir nas sementes) ou Rizoctonia ou excesso de sol. O diag­nóstico correto seria o ideal para melhor controle. Contudo, é curioso o fato de algumas estufas apresentarem o problema e outras não. O que tem de diferente nestas estufas boas? Ou seja, TUDO nestas estufas está igual as demais? Inclusive as variedades usadas?

Se o caso for de alternária ou Rizoctonia, o uso de fungicidas no berçário é ideal para eliminar o problema. Apesar do uso do Bacillus auxiliar no controle, ele nem sempre combate isolada­mente a situação. O uso de outros fungicidas mais específicos seria o mais apropriado.

Tenho observado muito “a queima do caule” de rúcula em Hidroponia devido ao sol incidir em excesso no caule (hipocótilo) da planta. Como sugestão: experimente colocar dois torrões, ou seja, duas mudas por orifício da bancada. Assim, com mais plantas por orifício terá mais área foliar e, assim, sombreará mais o local do caule. Lembro também que rúcula não gosta muito de sol. No verão, o uso de telas termo­refletoras dentro do ambiente protegido para cultivo de rúcula é mandatório.

3. Quanto ao coentro, essa podridão da raiz não seria Phythium? É o maior problema em Hidroponia em NFT. Excesso de temperatura, falta de oxigenação, variedade sus­cetível e não limpeza adequada induzem ao seu aparecimento e agravamento. Con­trolar essas variáveis minimiza o problema. Outro ponto, qual a variedade usada? Coentro do tipo Português é suscetível a Phythium, enquanto Verdão é tolerante.

Enfim, são algumas dicas que possam auxiliar. Espero ter ajudado.”

 

Prof. Dr. Luís Cláudio Paterno Silveira / Universidade Federal de Lavras (UFLA):

“Olá. Bem, se for fungus gnat, você deveria encontrar as larvas, branquinhas, naquela região do colo da planta. Pelas fotos não dá pra ver, teria que olhar mais de perto. Se não tiver as larvas seu problema pode ser Pythium ou algum outro patógeno. Ainda problema de oxigenação da solução. Você tem aerador no tanque de solução?”

 

Profª. Drª. Roberta Peil / Universidade Federal de Pelotas (UFPel):

“Possivelmente, a causa esteja relacionada a algum patógeno presente na água empre­gada para a solução nutritiva, que pode ter contaminado o sistema. Entretanto, para se ter segurança sobre isso, seria necessária a avaliação por um fitopatologista.”

 



SUGESTÃO DE POSTAGENS