NEWSLETTER

Email:
Telefone:
 

ENQUETE

(Abril/2017) Qual o seu interesse neste site?

Sou hidroponista, busco mais conhecimento na área

Sou produtor convencional, quero migrar para a Hidroponia

Sou empresário/fornecedor, quero investir no setor

Sou consumidor, quero informações

Outro objetivo? Comente pelo e-mail redacao@revistahidroponia.com.br
















































































NOTÍCIAS


Forte temporal provoca prejuízos em estufas do RS

Produtora do município de Feliz está entre os afetados pelo vendaval

02/10/2017


Entre a tarde deste domingo (dia 1°) e a madrugada desta segunda-feira (dia 2), um forte temporal, com rajadas de vento entre 100 km/h e 120 km/h, atingiu ao menos 22 municípios do Rio Grande do Sul. O vendaval provocou uma série de problemas, como quedas de rede elétrica, destelhamento de casas, janelas quebradas e galhos de árvores espalhados pelas ruas.

Alguns produtores hidropônicos também amargaram prejuízos decorrentes do temporal. Esse é o caso da sócia-proprietária da Hidropônicos Brancão, Everlin Kremer, 25 anos. Ela e a família, que cultivam alimentos hidropônicos em Feliz (RS), município distante 85 km da Capital, tiveram boa parte das 26 estufas danificadas pelos fortes ventos. “Era entre 18h30min e 19 horas quando começou o temporal, que atingiu em cheio a nossa região”, lembra a produtora.

A família ainda está contabilizando os prejuízos, mas, apenas na parte estrutural, se estima que foram cerca de R$ 100 mil em estragos. “Nossas estufas de produção de morango em substrato foram as mais danificadas, cerca de 90% do total. Nas estufas que abrigam nossa produção de tomate cereja os danos foram de aproximadamente 50%. Ainda registramos estragos no nosso cultivo de pepino”, lamenta.

As estufas da Hidropônicos Brancão que ficam mais guarnecidas contra o vento, como é o caso das de folhosas em sistema NFT, não sofreram avarias, segundo Everlin. Sem seguro para as perdas, agora a família trabalha para buscar mão de obra e iniciar o concerto das estufas ainda hoje. “Não temos muito para fazer diante da força da natureza. Agora é buscar forças para começarmos a reconstrução e torcermos para que o tempo colabore para isso”, finaliza.



NOTÍCIAS RELACIONADAS